sábado, 11 de janeiro de 2014

Missão dos Pais

"EDUQUEM AS CRIANÇAS DE HOJE E NÃO SERÁ PRECISO CASTIGAR OS HOMENS DE AMANHÃ - PITÁGORAS"

Ser mãe é desdobrar fibra por fibra o coração!, disse o poeta brasileiro Coelho Neto. Diríamos também que ser pai é igualmente ser abnegado, em favor daqueles a quem Deus confiou a educação. Desta forma, a paternidade pode ser encarada como uma missão. Quanto aos pais espíritas, cabe a eles educar os filhos segundo os ensinamentos espíritas, mesmo que, após chegarem à idade da razão, sigam, caminhos diferentes.
"A criança é o futuro", diz Emmanuel, no livro Coletânea do Além - edições FEESP, psicografia de Francisco Cândido Xavier. "O trabalho redentor da nova era há de começar na alma da infância, se não quiserdes divagar nos castelos teóricos da imaginação superexcitada", explica o benfeitor espiritual.
E ainda: "..voltemos-nos para as crianças agora, cônscios de que muitos de nós seremos a infância do porvir. Organizemos o lar que forma o coração e o caráter, e a escola que iluminará o raciocínio". Logo, os membros de uma familia representam a unificação de espíritos que reencarnaram para o reajustamento, no seio da criação.
O conhecimento da reencarnação propicia a pais e filhos a consciência de que cada um tem a família que merece e que apesar das diferenças (cada membro da família é diferente um do outro, pois são espiritos de evoluções diferentes) é importante que cada um se compenetre do bom relacionamento, para que reine a harmonia familiar.
Destacamos trechos do ítem 9 do capítulo XIV de O Evangelho Segundo o Espiritismo: "Oh, espíritas!. (...) Compreendei que quando gerais um corpo, a alma que se encarna vem do espaço para progredir. Tomai conhecimento dos vossos deveres e ponde todo o vosso amor em aproximar essa alma de Deus: (..) Lembrai-vos de que a cada pai e a cada mãe, Deus perguntará: "Que fizeste da criança confiada à vossa guarda?" Se permaneceu atrasada por vossa culpa, vosso castigo será o de vê-la entre os espíritos sofredores, quando dependia de vós fosse feliz.
Então vós mesmos, carregados de remorsos, pedireis para reparar a vossa falta; solicitareis uma nova encarnação, para vós e para ela, na qual a cercareis de mais atentos cuidados, e ela, cheia de reconhecimento, vos envolverá no seu amor". Há 2.500 anos, Pitágoras dizia: "Eduquem as crianças de hoje e não será preciso castigar os homens de amanhã". Um texto da internet intitulado: "Violência, o Desafio da Paz - Educação para a Paz", diz que: "Quem forma o caráter de um indivíduo que, por sua vez, vai compor a sociedade, é a educação que ele recebe quando ainda é criança ou jovem.
O destino das criaturas humanas que compõem a sociedade está em conexão com os princípios educacionais que lhe foram inculcados na infância e na adolescência.." Os filhos, por outro lado, têm obrigações para com seus pais, pois não se pode amar ao próximo sem amar os pais. O termo honra (do ensinamento de Jesus: "Honra a teu pai e a tua mãe") implica um dever a mais dos filhos para com os pais: o da piedade filial.
O capítulo em referência do Evangelho explica: "Honrar ao pai e à mãe não é somente respeitá-los, mas também assistí-los nas suas necessidades; proporcionar-lhes o repouso na velhice; cercá-los de solicitude, como eles fizeram por nós na infância". O lar não é somente um local simplesmente convivermos com a família, muito menos apenas um local de descanso, entre o nosso ir e vir do trabalho. É o ambiente onde deve reinar a paz, a harmonia e a felicidade entre todos, apesar das diferenças individuais.
A família é, pois, o primeiro educador. Quanto mais nos harmonizamos dentro dela, mais nos capacitaremos à boa convivência com todos os nossos semelhantes. Eis a grande oficina para a formação da moral, do caráter e do desenvolvimento da REFORMA ÍNTIMA.
As atitudes de carinho e de afetividade manifestam-se nas pequenas atitudes do dia-a-dia, que se fortificam os laços de familia e se dá uma significação fraterna aos liames sociais, pois quem se relaciona bem dentro da família leva essa positividade para as relações fora de casa.
É, pois, desta forma que nós, cidadãos de bem, construiremos uma sociedade cada vez mais digna, baseada em valores éticos e morais capazes de levar os país aos caminhos de seu verdadeiro destino: uma nação forte e altaneira, digna do futuro que a espera - de Coração do Mundo e de Pátria onde floresçam as luzes benditas do Evangelho de Jesus.

Muita paz
Postar um comentário