sexta-feira, 13 de agosto de 2010

CAP. XVII – SEDE PERFEITOS O HOMEM DE BEM


O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO

Diante das dores que o homem presencia, não raro ele idealiza: “-Ah! Como seria diferente a vida entre nós se os homens fossem melhores, realmente amassem uns aos outros, vivessem, enfim, de acordo com as Leis de Deus!...

O Codificador, na certeza de que um dia esse estado de fraternidade verdadeira acontecerá, propõe um modelo de comportamento para o homem viver em paz. Assim, ele, com sua visão missionária, incute na mente de cada um de nós, o modelo adequado e já nos induz a vislumbrar a possibilidade de torná-lo realidade.

Diriam alguns: -Jesus é o nosso Mestre e modelo.
Sem dúvida, diríamos.

Porém Allan Kardec abstém-se de colocar o Divino Amigo como alvo maior a ser atingido talvez considerando a juvenilidade espiritual do homem que ainda cria mitos e ídolos.

Volta-se então o Missionário da Terceira Revelação para o próprio ser em evolução, o homem comum, e adverte-o, amorosamente, de que ele mesmo pode conquistar as virtudes que o tornarão um homem de bem.

Antevê o comportamento íntimo desse homem do futuro.

Esse novo homem tem fé em Deus, por saber que tudo se rege por Leis; Leis Perfeitas; Leis de Amor.
É desapegado aos bens materiais, porém, os não desprezam, mas procura dar a eles a utilidade adequada para a produção do bem, do progresso.
Procura ser justo, aplicando a Lei de Solidariedade e de Auxílio Mútuos fazendo aos outros o que gostaria que lhe fizessem caso estivesse na situação inversa.

Ampara os necessitados, protege os mais fracos, ensina os que ignoram.
Não tem interesse em auferir quaisquer tipos de vantagens pelos benefícios que gera.
Não é preconceituoso, nem quanto a credo, cor, sexo, nacionalidade, estado social, etc.

Tem consciência, enfim, de que a Lei de Ação e Reação – ou de Causa e Efeito – incide sobre todos e que ele colherá em forma de benesses Divinas ou de novas experiências em processo de aprendizado, tudo que fizer aos outros.

Nós, os homens do presente, seremos indubitavelmente o homem de bem, o homem do futuro, que é o mesmo.

Tal estado, como atrás dissemos, será o fruto do esforço individual em crescer intelecto e moralmente, e, hoje, temos o caminho apresentado pelo Espiritismo que nos concita a voltar o olhar para nosso próprio potencial e iniciarmos lenta, porém ininterruptamente a longa caminhada que nos reunirá aos homens de bem que já existem no Planeta Azul de Jesus, mas que permanecem obnubilados pelas fantasias que ainda a maioria alimenta.
Postar um comentário