terça-feira, 18 de maio de 2010

Traduções mentirosas da Bíblia




Nós espíritas não somos versados em Bíblia, nem mantemos muita preocupação com as diversas traduções que fazem dos livros, considerados por muitos, sagrados. Também não temos o hábito de analisar ou combater o pensamento dos outros, respeitando o direito que todas as pessoas têm de entender o mundo à sua maneira e, adorar a Deus, ou ao seu Deus, da forma como lhes convier. Mas, temos, sim, o direito de nos defender, defendendo a doutrina espírita quando ela é vítima de golpes baixos e vis.

Vejamos uma tradução da Bíblia, pertencente a uma determinada seita, feita com evidente má fé por "aqueles que gostam da mentira e a praticam":

"Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas"; Watchtower Bible and Tract Society of New York, Inc.; New York, U.S.A.; 1ª Edição Brasileira, 1967:

Gálatas, 5:19-21 - Ora, as obras da carne são manifestas, as quais são fornicação, impureza, conduta desenfreada, idolatria, prática de espiritismo, inimizades, rixa, ciúme, acessos de ira, contendas, divisões, seitas, invejas, bebedeiras, festanças e coisas semelhantes a estas.

Revelação, 22:15 - Lá fora estão os cães e os que praticam o espiritismo, e os fornicadores, e os assassinos, e os idólatras, e todo aquele que gosta da mentira e a pratica

Levítico, 20:6 – Quanto à alma que se vira para os médiuns espíritas e para os prognosticadores profissionais de eventos, a fim de ter relações imorais com eles, certamente porei minha face contra essa alma e a deceparei dentre seu povo.

Levítico, 20:27 - E quanto ao homem ou à mulher em quem se mostre haver um espírito mediúnico ou um espírito de predição, sem falta devem ser mortos. Devem atirar neles pedras até morrerem.

Agora, comparemos com os mesmos trechos na tradução clássica em língua portuguesa:

"A Bíblia Sagrada", traduzida em português por João Ferreira de Almeida; Imprensa Bíblica Brasileira; Rio de Janeiro; 32ª Impressão; 1975:

Gálatas, 5:19-21 - Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissenções, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, ...

Apocalipse, 22:15 - Ficarão de fora os cães e os feiticeiros, e os que se prostituem, e os homicidas, e os idólatras, e qualquer que ama e comete a mentira.

Levítico, 20:6 - Quando uma alma se virar para os adivinhadores e encantadores, para se prostituir após deles, eu porei a minha face contra aquela alma, e a extirparei do meio do seu povo.

Levítico, 20:27 - Quando pois algum homem ou mulher em si tiver um espírito adivinho, ou for encantador, certamente morrerão; com pedras se apedrejarão.

Em qualquer tradução clássica, de qualquer língua, mesmo nos textos mais antigos, vamos encontrar sempre as palavras feiticeiro e feitiçaria, encantadores e adivinhos. Mesmo porque seria impossível aos autores originais - no caso Paulo, o Apóstolo, João, o Evangelista e, principalmente, Moisés -, terem usado os termos espiritismo e médium espírita. Não existia ainda o conceito de espiritismo, muito menos a palavra correspondente. Estes neologismos - espiritismo e espírita -, foram introduzidos na cultura universal por Allan Kardec, em 1857, como modificação das palavras espiritualismo e espiritualista, justamente para definir aqueles espiritualistas que aderem à Doutrina Espírita, por ele codificada.

Quem quer que, sem segundas intenções, sem, repetimos, "gostar da mentira e a praticar", queira usar corretamente o vernáculo, vai descobrir que em todos os dicionários existe uma diferenciação muito grande entre feitiçaria e espiritismo. Ainda que a base fenomênica possa ser a mesma, a feitiçaria é praticada dentro de um contexto mágico, místico e, ás vezes, segundo alguns dicionaristas, até maléfico. Já o Espiritismo surgiu precisamente para retirar dessa fenomenologia - hoje chamada de paranormal -, qualquer laivo de magia, misticismo e superstição. Seus estudos são sempre feitos dentro de rigorosos critérios científicos, e sua prática é inspirada na moral cristã. Basta se estudar, ainda que de forma insipiente, a Doutrina Espírita, para se constatar isto. É bom lembrar, porém, que o Espiritismo, apesar de esclarecer as coisas, não combate a feitiçaria, pois respeita, democraticamente, o direito que tem qualquer pessoa de praticar qualquer coisa, desde que não faça mal a si ou a outrem.

O que há de verdadeiramente criminoso nisso tudo, e passível até de processo judicial, é que está se disseminando entre certas seitas um costume muito perigoso de se eleger o Espiritismo como "bode expiatório" dos fracassos e frustrações de seus adeptos. O princípio é mais ou menos este: "Deus é um senhor muito rigoroso que quer as coisas assim ou assado (o "pastor" ou "ministro" sempre sabe como são), e nos pune porque alguns dentre o povo praticam espiritismo, umbanda ou idolatria". A insuflação de ódio conseqüente a esse pensamento atingiu o paroxismo no episódio dos chutes a uma imagem de Nossa Senhora por um "ministro" de seita (pretenso combate à idolatria), e do ataque e espancamento, também liderado por "pastores", dos umbandista que faziam seus inocentes, típicos e, até turísticos, despachos na praia de Copacabana numa passagem de ano.

Os ataques aos espíritas atingem um grau até maior de sutileza e crueldade. Recentemente, num programa religioso de rádio, um desses "pastores" atendia, ao vivo, telefonemas de fiéis que lhes traziam seus problemas. A certa altura, uma mulher liga reclamando que sua loja vai mal apesar de ela ser crente. Ao invés de ajudá-la procurando melhorar os índices de eficiência de seu empreendimento, o "pastor" começou a procurar culpados por outros caminhos. Perguntou-lhe se ela ia regularmente ao templo, se fazia todas as práticas recomendadas pela seita e, principalmente se pagava regularmente o dízimo. A resposta foi positiva. Ele continuou procurando, pois sua teologia prega que se cumprirmos tudo que "deus" nos exige, as coisas só têm que ir bem. Se vão mal, algum "pecado" cometemos. Estendeu a pergunta: "E seus empregados aí da loja, também são crentes, fazem suas orações, vão ao templo?" A resposta: "Fazem... vão... quer dizer... orações sim, quanto a ir ao templo, tem um deles que não vai; ele é... espírita". O "pastor" emitiu um grunhido histérico de vitória: "Pronto, taí, as coisas vão mal prá você, minha irmã, porque tem um espírita aí no meio..." "Quer dizer que devo mandá-lo embora?" - pergunta a inocente que não sabe pensar por si mesma. Aí o "pastor" vascilou, pois sabe das possibilidades jurídicas de uma indenização trabalhista em casos semelhantes: "Não, não lhe digo nada! Você minha irmã é quem tem que saber o que fazer.. afinal você está em dificuldade, quer que sua loja vá bem..." E não é preciso ser adivinho para saber que o pobre rapaz perderia o emprego por ser espírita!

A história tem nos demonstrado as terríveis conseqüências do fanatismo, da perseguição a minorias, da prática vil de se escolher "bodes expiatórios" para as dificuldades coletivas. Todas as pessoas têm o direito de crerem no que quiserem, mas o risco do fundamentalismo é levar os crentes a crerem legítima até mesmo a eliminação dos que pensam diferente. Eliminação física ou de suas fontes de sobrevivência.

O que eu mais estranho é que essa tradução mentirosa da Bíblia foi feita num país democrático e líder na defesa dos direitos individuais. Será que esses traduttori traditori têm coragem de destilar o mesmo veneno por lá, ou esse ódio é só para exportação?

João Alberto Vendrani Donha
Curitiba, Paraná
Abril 2001
Centro Espírita Luz Eterna - CELE
cele@cele.org.br.br
Postar um comentário